Quem trabalha com educação já havia notado, nos últimos anos mais do que nunca, que as profundas transformações sociais exigiam uma nova didática. Com a pandemia de Covid-19, esses debates ficaram ainda mais urgentes: afinal, como garantir a qualidade do trabalho dos professores com o ensino à distância para as fases fundamentais? É neste ponto que as tecnologias para ensino híbrido começam a se mostrar cada vez mais importantes.

A educação à distância é um assunto já resolvido para o ensino técnico, superior e supletivo. Adultos, em geral, têm a autonomia e a responsabilidade de se organizarem para levar os estudos com dedicação e bom aproveitamento. Entretanto, com as crianças, é diferente. Elas exigem acompanhamento e estímulos sociais, algo que apenas o ambiente da sala de aula pode promover.

Contudo, a pandemia nos mostrou que as escolas precisam estar preparadas para adversidades. É claro que ninguém deseja passar mais uma vez pelo que o mundo ainda está passando, mas é importante garantir uma infraestrutura para que não se perca qualidade diante de uma condição desfavorável. Assim, o ensino híbrido é uma oportunidade de resolver esse dilema.

Por que pensar em ensino híbrido para a educação regular

Inicialmente, vale ressaltar que vai demorar um pouco até que o mundo volte ao “normal”. O professor Ugur Sahin, cientista que liderou o desenvolvimento da vacina BioNTech/Pfizer, estima que a vida deve voltar ao normal apenas no fim de 2021¹. Portanto, este será um ano de cuidados ainda bem intensos.

E mesmo depois, conforme uma epidemiologista do Imperial College London, do Reino Unido, professora Azra Ghani, muitas medidas de prevenção ainda serão necessárias. Até porque não será possível vacinar os mais de 7 bilhões de habitantes do mundo em um ano². E considerando viagens a turismo e a negócios, povos de diferentes nações vão continuar se encontrando, o que exige essa vacinação em massa para segurança global.

Pode parecer meio distante pensar tudo isso quando a sua preocupação é apenas a escola em que você trabalha, não é mesmo? Contudo, é essencial reforçar que, enquanto não existir uma previsibilidade da situação, qualquer escola ― um ambiente que concentra muitas pessoas, de vários lugares e comportamentos, em um espaço tão pequeno ― pode estar sujeita a regras restritivas.

E, você sabe, essas restrições impostas em 2020 custaram muito, principalmente às escolas privadas. Além da capacidade reduzida de avaliar a evolução dos alunos, muitos pais acabaram migrando para as escolas públicas, já que não havia um diferencial concreto no que diz respeito ao modelo de aprendizagem. Estar preparado, portanto, cria um diferencial para momentos como o que vivemos.

Assim, investir em uma lógica de ensino híbrido não é algo para um ou dois meses. No mínimo, será importante para um ano letivo inteiro. E mesmo depois que tudo isso passar, esse tipo de estrutura pode ser útil para auxiliar alunos que, por algum motivo, não podem ir à escola, como diante de atestados médicos, necessidades familiares ou, até mesmo, reforço escolar.

Como preparar a escola para ser mais que presencial

Tornar a escola mais digital também é uma forma de facilitar o acompanhamento dos pais em relação à evolução dos alunos e permitir que os próprios estudantes tenham acesso a recursos que deixem o aprendizado mais dinâmico e interessante. Nessa equação, todos ganham: a escola fica mais preparada para qualquer desafio, os alunos têm um ensino mais interessante e os pais têm mais recursos para acompanhar tudo.

O primeiro passo para que o ensino híbrido funcione é desenvolver uma cultura digital na escola. É preciso que haja a consciência de que as rotinas funcionam no ambiente virtual. Assim, a adoção de uma Secretaria Digital é essencial. Ter a disponibilidade de organizar indicadores de desempenho, permitir a assinatura digital (especialmente para os pais) e ter uma infraestrutura que garanta à instituição a capacidade de gerenciar os documentos digitalmente é fundamental.

O papel do Google for Education para uma escola mais digital

A implementação do Google for Education é o segundo passo para que uma escola seja ainda mais dinâmica e digital. É verdade que a suíte do Google é acessível também por escolas públicas, mas o diferencial é garantir uma infraestrutura de rede para que o gerenciamento das atividades ocorra sem problemas. Afinal, é importante que todos ― professores e alunos ― tenham acesso às condições adequadas para que a dinâmica de ensino funcione.

Vale lembrar que o Google for Education possui inúmeras ferramentas capazes de transpor para o computador o ambiente de sala de aula. Lá estão ferramentas como o Google Meet, que permite a interação entre a turma e a realização de aulas online e o Google Agenda, função colaborativa que organiza prazos e atividades das provas, trabalhos e aulas em vídeo, permitindo mais organização para todos com auxílio de notificações prévias a cada compromisso.

A principal solução desta suíte, no entanto, é mesmo o Google Classroom (ou Google Sala de Aula), essencial para a implementação de toda a estratégia de ensino híbrido. Por este canal é que as turmas são criadas para organizar as atividades. E com essa separação, abre-se espaço para direcionar os comunicados da escola ou da turma, melhorando a comunicação entre todos e mantendo o contato necessário para cultivar o vínculo e a interação tão essenciais, mesmo em um ambiente on-line.

Em relação às atividades propostas, o Google Sala de Aula otimiza a distribuição, recebimento e avaliação dos trabalhos. Isso facilita o acompanhamento do progresso dos alunos e, como as notas são aplicadas na própria ferramenta, a evolução do aprendizado pode ser percebida mais claramente.

Outros requisitos para uma escola completa on e offline

Internamente, a elaboração de um planejamento detalhado para usufruir ao máximo de todas essas ferramentas é uma ação necessária. Organizar a metodologia de ensino híbrido para que todos entendam o que precisam fazer oferece segurança e capacidade de organização para pais e alunos. Essa metodologia deve envolver escalas para as aulas presenciais, atividades a serem realizadas na instituição e remotamente, funcionamento dos períodos avaliativos (bimestre, trimestre etc.) e outras definições.

Então, para garantir que a sua escola tenha a tranquilidade necessária de conduzir mais um ano letivo com organização e sem preocupação com qualquer restrição atual ou futura, e ainda crie um ambiente de constante transformação digital para se posicionar com um diferencial competitivo, conte com a Copylink! Nós temos uma solução pensada para as escolas que querem oferecer sempre o melhor!

Referências:
¹ BBC Brasil
² UOL